"Quando a última árvore tiver caído, quando o último rio tiver secado, quando o último peixe for pescado, todos vão entender que dinheiro não se come". ( VALDOMIRO MAICÁ)

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Brasil usa inteligência militar para acabar com indústria do desmatamento


A indústria do desmatamento da Amazônia no Brasil se aprimorou e vai muito além do corte de árvores. Criminosos utilizam técnicas cada vez mais sofisticadas, que envolvem ataques virtuais a websites oficiais, operações fraudulentas e esquema de pagamento de propinas. "Estamos falando do crime organizado", resumiu Regina Miki, chefe da Secretaria Nacional de Segurança Pública.

É esse o inimigo do Estado que a Força Nacional de Segurança Ambiental combate desde o início de outubro de 2012 na floresta amazônica. A nova frente criada pelo governo para conter o desmatamento ilegal conta com oficiais das Forças Armadas, da Força Nacional e da Polícia Federal e tem à disposição 18 mil homens e mulheres que podem ser convocados a qualquer momento.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

III COLMEIA - Congresso de Legislação e Meio Ambiente do Cerrado


Caros Participantes do III COLMEIA do Cerrado,

Estamos novamente levando o COLMEIA até JATAÍ e convidamos todos a participar deste que é o MAIOR EVENTO de Meio Ambiente do Sudoeste Goiano.

O Congresso acontecerá nos dias 27 e 28 de outubro no Hotel Thermas BONSUCESSO e, em anexo, seguem todas as informações relativas ao Congresso.

Além das palestras e mesas tradicionais, o diferencial desse ano será a apresentação de TRABALHOS CIENTÍFICOS durante o domingo.

Confiram a PROGRAMAÇÃO que está super interessante e depois das palestras teremos um momento para confraternizar com a FESTA NAS PISCINAS TERMAIS.

São PARCEIROS do III COLMEIA: as Secretarias de Meio Ambiente de Rio Verde e Jataí, Comigo, Raízen, a BRF, MidWest e A2.

As INSCRIÇÕES estão sendo realizadas no LABIG (IF-Rio Verde) no (64) 3620-5635 ou em Jataí pela GEOCONN no (64) 3631-8078.

Com mais da metade do hotel reservado, até o DIA 10 estaremos fazendo as últimas reservas com CHEQUE para o dia 10 de outubro.

Olhem com calma as informações contidas nos arquivos e quaisquer dúvidas é só entrarem em contato.

Divulguem para seus amigos este mail e vamos continuar fazendo do COLMEIA O MAIOR EVENTO DO SUDOESTE GOIANO!!

ATÉ O III COLMEIA DO CERRADO!!
  
Prof. Fernando Uhlmann Soares
Instituto Federal Goiano - Campus Rio Verde
Coord. Lab. Inteligência Geográfica (LABIG)
Conselheiro Municipal do Meio Ambiente

domingo, 2 de setembro de 2012

UM SHOW DA NATUREZA - PIÚVA [IPÊ BRANCO]

 FLORESCE APENAS UMA VEZ POR ANO E DURAÇÃO 24 HORAS. UM ESPETÁCULO DA NATUREZA. E EU COMO MADRINHA DEIXO AQUI O MEU REGISTRO. PLANTE ÁRVORES, CUIDE DOS CANTEIROS, ISTO É CIDADANIA.— em Cuiabá.


domingo, 29 de julho de 2012

Ibama reavalia uso de quatro tipos de agrotóxicos e suas relações com o desaparecimento de abelhas



Mesmo na ausência de levantamentos oficiais, alguns registros sobre a redução do número de abelhas em várias partes do país, em decorrência de quatro tipos de agrotóxico, levaram o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) a restringir o uso de importantes inseticidas na agropecuária brasileira, principalmente para as culturas de algodão, soja e trigo.

Além de reduzir as formas de aplicação desses produtos, que não podem ser mais disseminados via aérea, o órgão ambiental iniciou o processo de reavaliação das substâncias imidacloprido, tiametoxam, clotianidina e fipronil. Esses ingredientes ativos foram apontados em estudos e pesquisas realizadas nos últimos dois anos pelo Ibama como nocivos às abelhas.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Projeto Biomas inicia segunda etapa no Cerrado

Pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), unidades Cerrados (Planaltina/DF) e Florestas (Colombo/PR), Universidade Federal de Goiás(UFG) e de Brasília (UnB) iniciaram a segunda etapa do Projeto Biomas, relacionado ao Cerrado. Um dos objetivos centrais do Projeto Biomas é fortalecer o uso do componente arbóreo na propriedade rural. Isso não significa apenas plantar árvores, mas utilizá-las de diferentes maneiras, de modo a dar sustentabilidade à paisagem e à propriedade.

Na Fazenda Entrerios, no PAD-DF, foram realizadas atividades de diagnóstico e caracterização em Áreas de Preservação Permanente (APP), Reserva Legal (RL) e de Uso Alternativo do Solo, ou seja, aquelas utilizadas na agricultura. O levantamento inicial indicou que a degradação na área de vegetação natural atinge cerca de 60% das áreas analisadas. De acordo com o pesquisador da Embrapa Cerrados Felipe Ribeiro, a situação é mais severa na APP em torno da nascente localizada em região mais seca da fazenda.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Agricultores recebem para preservar mata


Carlos Alberto Marques, 68, agricultor que faz parte do projeto-piloto - AP 
A garantia de água limpa para a cidade sede da Rio+20 vem de um exemplo prático de economia verde, tema central da conferência da ONU sobre desenvolvimento sustentável encerrada na semana passada. Responsável por 80% do abastecimento da região metropolitana da capital fluminense, a bacia do Rio Guandu abriga um projeto baseado na remuneração de agricultores que protegerem áreas de floresta próximas a nascentes.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Educação ambiental



Alguns países incentivam as pessoas a reciclarem as garrafas PET, em troca de desconto na hora de comprar outro refrigerante ou água mineral. E pensando em facilitar essa atitude ecológica, a designer holandês Ka-Lai Chan, criou uma suporte com alça muito prático para carregar as garrafas sem desconforto e, é claro, nem cogitar a ideia de usar uma sacola plástica. O ‘Bottled‘ é feito com material eco-friendly e tem aberturas que encaixam perfeitamente o gargalo da PET. Dá para carregar dez garrafas de uma só vez.



sábado, 19 de maio de 2012

Plano de Outorga Florestal aberto a consulta pública até 15 de junho


O Serviço Florestal Brasileiro (SFB) abriu, para consulta pública, o Plano Anual de Outorga Florestal (PAOF) 2013, documento elaborado anualmente com o objetivo de planejar a produção florestal sustentável por intermédio da concessão de florestas públicas. O documento descreve as áreas que poderão ser submetidas à concessão meio pelo qual empreendedores podem ter acesso a florestas públicas para praticar manejo florestal sustentável e explorar produtos e serviços - entre janeiro e dezembro do próximo ano.

Além das áreas em Florestas Nacionais (flonas), o plano destaca duas áreas de florestas públicas não destinadas de domínio da União com interesse do SFB para a concessão nos estados do Acre e Amazonas. O PAOF traz, ao todo, 14 áreas - entre flonas e áreas não destinadas - que somam cerca de 3,2 milhões de hectares com aptidão para o manejo.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Cerrado traz esperança para saúde humana


O Cerrado é o segundo maior bioma do Brasil. Suas plantas e árvores são muito resistentes à seca, mantendo um ecossistema único no mundo. Pesquisadores da Universidade de Brasília(UnB) estão conseguindo identificar plantas que podem contribuir na fabricação de medicamentos que serão úteis aos seres humanos.





Links referenciados

Universidade de Brasília
www.unb.br

terça-feira, 8 de maio de 2012

Dia dos Impactos Climáticos mobiliza mais de 100 países





Do Brasil ao Paquistão, dos Estados Unidos ao Japão, mais de mil eventos marcaram o dia cinco de maio de 2012 como um momento de reflexão e de divulgação da relação entre fenômenos climáticos extremos e o aquecimento global. O aumento da frequência de eventos climáticos extremos, somado aos anos de descaso do poder público com a ocupação irregular de encostas e beira de rios, resultaram na morte de 900 pessoas no Brasil no ano passado, segundo dados do Escritório das Nações Unidas para a Redução de Riscos de Desastres (UNISDR).

Por sua vez, nos Estados Unidos, ocorreram 12 eventos climáticos extremos que causaram prejuízos de US$ 1 bilhão cada, e em muitos estados os meses de janeiro a outubro foram os mais úmidos da história. No Japão foram registrados recordes de precipitação, e na China, o rio Yangtze sofreu uma seca jamais vista.

Em 2010, a Rússia teve o verão mais quente em séculos, e a Austrália e o Paquistão tiveram recordes nos índices de chuva, e em 2003, a Europa teve seu verão mais quente em pelo menos 500 anos.

Ministra Izabella Teixeira defende veto de Dilma ao Código Florestal


A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, voltou a defender ontem (07/05/12) que a presidente Dilma Rousseff vete o texto do novo Código Florestal, aprovado pela Câmara dos Deputados em caráter final, em abril. "A posição da ministra é pelo veto. Não tenho nenhum problema em dizer isso", esclareceu Izabella Teixeira, que participou de um debate sobre a Carta da Terra, uma declaração de princípios éticos voltados à construção de uma sociedade global sustentável, no Senado Federal.




A ministra demonstrou preocupação com os problema socioambientais que o texto aprovado pela Câmara pode causar. Ela defendeu o texto aprovado pelo Senado Federal, que acabou sofrendo grandes modificações na votação da Câmara. "Acho que temos que respeitar todo trabalho feito nesta Casa [Senado]. O trabalho foi muito bem feito naquilo que as condições democráticas ofereciam ao debate, mas precisamos ser responsáveis em relação ao veto". Para ela, "os problemas socioambientais não podem ser empurrados com a barriga".

População e meio ambiente seguem lado a lado


As mudanças demográficas que ocorrem no mundo e o consumo sem precedentes que as acompanha colocam o planeta em perigo, alerta um novo estudo divulgado às vésperas da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). Pouco antes da Cúpula da Terra, realizada em 1992 no Rio de Janeiro, algumas nações industrializadas, e especificamente os Estados Unidos, foram criticadas por consumirem em um nível obsceno os recursos finitos do planeta, entre eles alimentos, água e energia. O consumo insustentável destrói gradualmente o mundo, alertavam ambientalistas naquela ocasião.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Convite do Greenpeace Brasil

A revanche dos indignados: contamos com você.

Após a aprovação do Código Florestal na semana passada pela Câmara dos Deputados, ativistas online ficaram em polvorosa. #vetatudoDilma circula velozmente pelas redes sociais.
O Congresso demonstrou que se divorciou de vez da opinião pública que deveria representar por isso resta à Dilma uma única alternativa de vetar tudo.
Uma outra forma de dar a revanche a todos aqueles que articularam para destruir as florestas é compartilhar as formas de ação para coletar assinaturas pela lei de Desmatamento Zero. Divulgue hoje para pelo menos 10 amigos.
Divulgue a Campanha
Para aqueles que como você, se preocupam com a proteção das florestas e com o exercício do poder pelos cidadãos, a revanche vai vir com uma força tarefa para coletar1,4 milhão de assinaturas pelo Desmatamento Zero. Mais do que nunca, as florestas brasileiras precisam de você, participe!

sábado, 28 de abril de 2012

Excesso de agrotóxicos nas lavouras do país preocupa especialistas



O uso excessivo de agrotóxicos nas lavouras brasileiras preocupa cada vez mais especialistas da área de saúde. A aplicação de substâncias químicas para controlar pragas nas plantações e aumentar a produtividade da terra acaba se tornando um problema para os trabalhadores rurais e consumidores.


Para alertar a população e chamar a atenção das autoridades sobre o impacto dos agrotóxicos na saúde dos brasileiros, o Grupo de Trabalho de Saúde e Ambiente, da Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco), em parceria com outras instituições, lançou ontem (27/04/12), durante o Congresso Mundial de Nutrição, no Rio de Janeiro, um dossiê reunindo diversos estudos sobre o tema. O documento também será apresentado durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), que será realizada em junho no Rio.

Uso abusivo de agrotóxicos no país está relacionado ao modelo agrícola


O uso "abusivo, exorbitante e descontrolado" de agrotóxicos nas lavouras brasileiras mostra a subordinação do país na nova divisão internacional do trabalho, ficando responsável pela exportação de produtos primários com pouco valor agregado. Segundo o pesquisador e especialista em economia agrária José Juliano de Carvalho, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da Universidade de São Paulo (USP), esse cenário está diretamente relacionado ao modelo agrícola brasileiro, que se sustenta no latifúndio, na monocultura, na produção altamente mecanizada e em larga escala.

"Não é uma questão de tecnologia, mas do modelo de agronegócio colocado como o prioritário no Brasil. Para sustentar essa lógica, empresas e produtores usam sem controle os agrotóxicos e isso afeta de forma muito negativa a economia brasileira", acrescentou Carvalho, que também é diretor da Associação Brasileira de Reforma Agrária (Abra).

O professor defende uma regulação mais ampla do agronegócio no país, a implementação de projetos de reforma agrária e de zoneamento agroecológico. Ele acredita que o fortalecimento da agricultura familiar pode ser uma alternativa ao modelo atual.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

O início do fim das florestas


Ontem (25/04/12) a Câmara dos Deputados mostrou o que quer: o fim das florestas no Brasil. Por 274 votos a 184, com duas abstenções, foi aprovada hoje a proposta que desfigura o Código Florestal, escrita pelo deputado ruralista Paulo Piau (PMDB-MG) sobre o texto aprovado pelo Senado Federal, segue agora para sanção da presidente, Dilma Rousseff. Se ela não se mexer, e vetar o texto, esse futuro será seu legado.

O texto aprovado dá anistia total e irrestrita a quem desmatou demais - mesmo aqueles que deveriam e têm capacidade de recuperar matas ao longo de rios, por exemplo - e ainda dá brecha para que mais desmatamentos ocorram no país. Ele é resultado de um processo que alijou a sociedade, e vai contra o que o próprio governo desejava. Com isso, avanços ambientais conquistados ao longo de décadas foram por água abaixo.

"Acabamos de assistir ao sequestro do Congresso pelos ruralistas. Pateticamente, a presidente que tinha a maior base de apoio parlamentar na história recente deste país, foi derrotada por 274 votos de uma malta de ruralistas que se infiltrou e contaminou o tecido democrático brasileiro como um câncer", diz Paulo Adario, diretor da campanha da Amazônia do Greenpeace. "Desde o início do processo, o Brasil esteve refém dos interesses do setor, que fez de tudo para incorporar suas demandas ao projeto de lei. A população, que se mostrou contrária à anistia aos desmatadores e a brechas que permitem mais devastação, foi o tempo inteiro ignorada".

terça-feira, 3 de abril de 2012

Greenpeace denuncia exploração ilegal de madeira em assentamento do Incra

Ativistas do Greenpeace entregaram ontem (02/04/12) ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em Santarém, no Pará, um relatório com fotos e mapas que mostram a ação ilegal de empresa madeireira em um assentamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A extração predatória, conforme classifica a organização não governamental (ONG), ocorre dentro do projeto de assentamento conhecido como Corta Corda, na região do Rio Curuá-Una, a quase 140 quilômetros da cidade de Santarém. 




Os ambientalistas investigaram a área por quatro noites seguidas, fotografando pátios de madeira, toras cortadas, desmatamento recente, uma serraria e o tráfego intenso de caminhões carregados com o produto.

sábado, 31 de março de 2012

Mais duas bacias hidrográficas podem começar a cobrar pelo uso da água

A cobrança pelo uso da água nos rios de domínio da União, hoje restrita a quatro bacias hidrográficas, poderá se estender ainda em 2012 para as bacias do Paranaíba, que banha os estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal, e do Verde Grande, integrante da Bacia do São Francisco. Segundo o gerente de Cobrança pelo Uso de Recursos Hídricos da Agência Nacional de Águas (ANA), Giordano de Carvalho, a iniciativa é sempre dos comitês de bacias, que recebem apoio técnico da instituição. No momento, estão sendo elaborados os planos de Recursos Hídricos das novas bacias, sem os quais a cobrança não pode ser iniciada.

As bacias interestaduais que já cobram pelo uso dos recursos hídricos são as dos rios Paraíba do Sul, entre São Paulo, o Rio de Janeiro e Minas Gerais; Piracicaba, Capivari e Jundiaí, entre São Paulo e Minas Gerais; São Francisco, que envolve sete estados brasileiros; e Doce, entre Minas e o Espírito Santo.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Brasil se prepara para ser a âncora verde da agricultura no mundo

 

O diretor-presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Pedro Arraes, apresentou ontem (14/03/12), na sede da empresa, em Brasília (DF), as ações prioritárias para 2012 com foco principal na agricultura verde. Segundo ele, esse é o momento de investir em ferramentas tecnológicas que possam garantir ao país a posição de âncora verde, em termos de agricultura em todo o mundo. "Elegemos esse ano na Embrapa como o ano da Agricultura Mais Verde. Precisamos focar no futuro, no que gerar e no que vamos disponibilizar para o agricultor para garantir o futuro de todos. Muita pesquisa e muito trabalho serão necessários para isso."

Rede oferece oficina online "Mudanças Climáticas e Segurança Hídrica"

A oficina on line Mudanças Climáticas e Segurança Hídrica, promovida pela Rede Mobilizadores Coep com apoio da Fundação Banco do Brasil (FBB) e Fiocruz, segue com inscrições abertas e gratuitas até o dia 19 de março de 2012. Para participar da oficina é preciso se cadastrar no site da Rede Mobilizadores, efetuar o cadastro e em seguida solicitar a inscrição deixando o nome completo na página "Mudanças Climáticas e Segurança Hídrica é tema de oficina", que está em destaque na página do Mobilizadores www.mobilizadores.org.br.

Frutas e vegetais podem deixar as pessoas mais bonitas, diz pesquisa

 
A experiência feita pelos pesquisadores da universidade britânica de St. Andrews mostrou que o aumento no consumo de frutas e vegetais deixa as pessoas mais atraentes em apenas seis semanas. Para comprovar o fato, o grupo acompanhou a mudança na dieta alimentar de 35 pessoas e registrou em fotos as mudanças físicas apresentadas por elas.

Conforme publicado no jornal Daily Mail, as frutas e vegetais são ricos em carotenóides, que protegem contra o dano celular ocasionado pelos raios UV e poluição, além de prevenir doenças relacionadas à idade, como o câncer e outros problemas cardíacos.

Antes mesmo deste experimento, já era conhecido que a ingestão extrema de alguns vegetais poderia resultar em alterações na tonalidade da pele. No entanto, isso foi percebido em pigmentos vermelhos e amarelos, além dos mais conhecidos laranjas. O resultado, conforme publicado na revista PLoS ONE, foi uma tonalidade mais atraente, resultante do aumento dos níveis de carotenóides.

Uso de agrotóxicos em lavouras segue lógica do lucro

 

De acordo com o ativista, que lançou no ano passado a Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida, o Brasil deveria proibir totalmente o uso desse tipo de produto. Ele acredita que a utilização dessas substâncias está ligada apenas à lógica mercadológica de aumento de lucros.

"O crescimento do uso de agrotóxicos no Brasil não tem a ver com necessidade agronômica, com condições climáticas, mas com o modelo atual do agronegócio, para conseguir produtividade e lucro máximos. Por isso, é preciso conscientizar a população para que, num processo de transição, cheguemos à [condição de] não utilização de nenhum tipo de veneno agrícola", avaliou.

sábado, 10 de março de 2012

Milho transgênico cresce em ritmo acelerado

Um dos painéis de discussão do workshop sobre milho transgênico que terminou ontem (09/03/12) na Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas/MG) foi sobre os custos e os benefícios da produção desse tipo de cereal. Quatro profissionais de diferentes áreas de atuação deram contribuições para o debate. Anderson Galvão, da Céleres, empresa de consultoria em mercado agrícola, lembrou que, do ponto de vista histórico, após muita discussão, chegou-se, no Brasil, a um ritmo por ele considerado normal de trabalho no que se refere à avaliação e à eventual aprovação de transgênicos. Segundo Anderson, a primeira avaliação da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), realizada em 1999, demorou 100 meses. Hoje, o tempo gasto gira em torno de 10 meses. 
Atualmente, há 33 eventos transgênicos aprovados no Brasil para quatro culturas agrícolas diferentes. O milho lidera, com 18 eventos, seguido do algodão, com nove, da soja, com cinco, e do feijão, com um. Em termos de área total cultivada com transgênicos, também de acordo com a Céleres, o milho de inverno (ou milho segunda safra ou, ainda, milho safrinha) registrou quase 83% no último plantio, aproximando-se bastante da soja, que teve mais de 85% de adoção.

Chama a atenção a rapidez da expansão do milho transgênico no campo. Em apenas quatro safras, já é quase 65% o índice de adoção por área plantada, bem acima, por exemplo, dos 39% registrados pelo algodão, cujo plantio transgênico foi autorizado há oito safras. De acordo com Anderson, "hoje, o produtor de milho paga mais satisfeito R$ 400,00 por saca de milho transgênico do que pagava, antes, R$ 100,00 / R$ 120,00 por milho convencional".

segunda-feira, 5 de março de 2012

Código Florestal será votado definitivamente no dia 6 de março

A votação do novo Código Florestal brasileiro, marcada para amanhã (06/03/12), na Câmara dos Deputados, vai enfrentar fortes resistências dos setores ambientalista e científico. Mesmo assim, o governo não abre mão de ver a matéria aprovada definitivamente. A primeira batalha a ser enfrentada pelos defensores do texto será com a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que já se manifestou contrária à proposta da forma como saiu do Senado Federal. Os cientistas da SBPC querem mudanças na matéria e o veto de alguns trechos colocados pelo senador Jorge Viana (PT-AC) - que foi o relator do projeto no Senado.

Um dos pontos que mais preocupam os cientistas é a redução das áreas de preservação permanente (APP) nas margens de rios. Um documento entregue pela SBPC ao relator da matéria na Câmara, deputado Paulo Piau (PMDB-MG), e apoiado pela deputada Janete Capiberibe (PSB-AP), aponta que as APPs serão reduzidas em 50% com o novo texto.

CONSUMO RESPONSÁVEL





Links referenciados

TV Brasil
www.tvbrasil.org.br

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Estudo brasileiro sobre Amazônia chama atenção da Nature


Edição da revista Nature de janeiro de 2012 destaca o Experimento de Larga Escala na Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA), projeto que vem sendo desenvolvido há mais de vinte anos pelo Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (INPA) em parceria entre diversas instituições, com a coordenação do professor Paulo Eduardo Artaxo Netto, do Instituto de Física (IF) da Universidade de São Paulo (USP).

Em texto publicado no periódico, Artaxo conta como um grupo de cientistas colocou em prática "um ambicioso plano para estudar a floresta amazônica de uma forma totalmente nova, para melhorar a nossa compreensão da floresta e seu papel no sistema climático global". O intuito era construir uma base científica para aprender como a região poderia ser desenvolvida de forma sustentável.

Cientistas alertam para os problemas que ainda permanecem no Código Florestal



A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a Academia Brasileira de Ciências (ABC) entregam ontem (27/02/12) ao relator da proposta do novo Código Florestal, o deputado Paulo Piau (PMDB-MG), um documento que aponta os pontos que ainda precisam e podem ser alterados pelos parlamentares antes de o projeto ser votado pela Câmara dos Deputados e ir a sansão ou veto presidencial.

No documento, as entidades científicas reconhecem os avanços da proposta apresentada pelo Senado Federal, mas ressaltam que ainda permanecem problemas graves, que trarão prejuízos desastrosos ao meio ambiente e comprometerão a própria sustentabilidade da agricultura.

Para cada item, as entidades mostram como o problema é regulado pelo Código Florestal em vigor, qual a proposta encaminhada pelo Senado e as suas consequências. "Ou seja, fornecemos os parâmetros necessários para os deputados fazerem as alterações que ainda são possíveis", ressaltou o prof. Ricardo Rodrigues, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), um dos integrantes do grupo de trabalho da SBPC e ABC que foi instituído com o objetivo de fornecer dados técnico-científicos para subsidiar as discussões dos parlamentares sobre este assunto.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Abóbora gigante gera mistério e intriga dono de sítio

Tio de Schmitt posa com abóbora gigante em Blumenau. Foto: Jaime Batista da Silva/vc repórter


Uma abóbora de 38,5 kg nasceu misteriosamente em um sítio em Gaspar, a 14 km de Blumenau, em Santa Catarina. José Francisco Schmitt, um dos residentes do sítio, achou o enorme vegetal na segunda-feira (30), ao passar por um capinzal que servia como depósito de entulho.
"Fazia tempo que eu não passava pelo capinzal. É uma terra muito boa, mas nunca vimos isso acontecer. Posso garantir que nós não plantamos essas abóboras", afirmou.
Chico, como é conhecido, também se espantou com a casca branca do vegetal. "Teve gente que pensou que era um chuchu", brincou. Perto do capinzal, Schmitt achou outras abóboras com o tamanho fora do comum. "Vou deixá-las crescer até não poder mais", disse.
Embora a abóbora tenha intrigado a família, Schmitt diz que aprovou o sabor. "Ela é branca por fora, mas amarelinha por dentro. E muito doce". Em visita a Blumenau, onde a família tem uma sorveteria, a abóbora virou um sucesso. Mas por pouco tempo, avisa Chico: "ela vai virar sorvete de abóbora com coco".
Fonte: Terra noticias

Anvisa lança cartilha com orientações sobre agrotóxicos


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) lançou uma cartilha com orientações para trabalhadores rurais que trabalham com agrotóxicos. O objetivo é que eles saibam como evitar intoxicações. De acordo com os dados do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmcaológicas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em 2009, foram registradas 188 mortes por agrotóxicos e 11.641 casos de intoxicação. O agrotóxico de uso no campo é a segunda causa de intoxicação no país, ficando atrás apenas dos medicamentos, que somaram 26.540 registros no mesmo ano. A cartilha também está disponível para download no site da Anvisa (arquivo PDF - 6,48 Mb).

A cartilha cita quais são os principais sintomas de intoxicação aguda, seja pela respiração, boca ou contato com a pele, e como a pessoa deve agir. Alguns dos efeitos são inchaço no corpo, alergias, dor de cabeça, câimbras, vômitos, dificuldade de respirar e irritação na pele. Nos casos agudos, a contaminação pode provocar impotência, aborto e depressão.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Bebedouro inteligente para abelhas melhora produção de mel em 50%


Uma nova tecnologia pode ajudar a desenvolver ainda mais a apicultura no Maranhão. Trata-se do bebedouro inteligente, um sistema que impede a contaminação da água consumida pelas abelhas e evita o desperdício pela evaporação e pela aproximação de outros animais. Idealizada pelo consultor do Sebrae no Maranhão Euler Tenório e pelo apicultor Rolf Benkert, do povoado Cajueiro, no município de Maracaçumé, a invenção foi destaque no II Congresso Nordestinho de Apicultura e Meliponicultura, realizados recentemente em Teresina. A inovação atraiu centenas de apicultores e técnicos participantes dos eventos.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Editora Antroposófica lança Calendário Astronômico Agrícola 2012


A Editora Antroposófica, fundada em 1981, com a finalidade de oferecer ao leitor brasileiro um amplo acesso a textos de Antroposofia e temas afins, acaba de lançar o Calendário Astronômico Agrícola 2012. Quem tem contato com agricultores que realmente vivem há gerações na terra sempre ouve relatos sobre as relações da Lua com a época de plantio, poda etc., mas, principalmente, sobre as fases da Lua, que é o ritmo mais visível desse astro. Em culturas ancestrais indígenas, ainda encontramos observações mais apuradas do céu.

Baseado nos estudos de Maria Thun é uma da agricultora alemã que, seguindo os princípios da agricultura biodinâmica há mais de 50 anos, vem pesquisando a influência dos astros na agricultura, criação de abelhas, panificação e até previsão do tempo.

O calendário Maria Thun é o calendário agrícola mais popular no movimento biodinâmico. É importante destacar que este calendário se baseia na astronomia, não tendo relação alguma com indicações astrológicas. Ele não encerra o assunto da influência dos ritmos cósmicos na vida, mas mostra um fascinante caminho para novas descobertas no mundo dinâmico e vivo da agricultura em harmonia com a natureza, seja ela biodinâmica, orgânica ou natural.

A Editora

Embora seja uma empresa estabelecida comercialmente, a Editora Antroposófica não tem fins lucrativos propriamente ditos; seus resultados comerciais são dirigidos permanentemente à produção de livros, sejam novos lançamentos ou reedições.

Voltada inicialmente para textos básicos de Rudolf Steiner (o fundador da Antroposofia ­(1861--1925), com o crescimento do interesse do público e a demanda das instituições antroposóficas passou a diversificar a temática e os autores publicados, abrangendo hoje inúmeras áreas e dezenas de autores.

O Calendário

Calendário Astronômico Agrícola 2012
Preço: R$ 28,00
Publicação: Editora Antroposófica
Endereço: Rua da Fraternidade, 174/180
CEP 04738-020 - São Paulo/SP
Telefones: (11) 5686-4550 ou 5687-9714

FONTE

Agrosoft

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Empaer propõe substitução de abelhas rainhas geneticamente melhoradas nos apiários de Mato Grosso

Com a finalidade de aumentar a produção de mel e evitar a contaminação de doenças em Mato Grosso, o biólogo da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), João Bosco Pereira está executando um projeto de melhoramento genético para produção de abelhas rainhas africanizada - Apis mellifera. O projeto visa atender produtores rurais que estão na atividade com a entrega de cinco a dez abelhas rainhas por apiário a fim de aumentar a produtividade em 100%, chegando a uma produção de 60 quilos de mel por colmeia ao ano.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Embrapa e Empaer pesquisam variedades resistentes a brusone

Para controlar a brusone (Magnaporthe grisea), doença que ataca o arroz e causa prejuízo significativo na produção e qualidade dos grãos a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) implantaram canteiros de observação no município de Paranatinga (373 km ao Sul de Cuiabá), para avaliar 322 genótipos de arroz. Esse experimento faz parte do Viveiro Nacional de Brusone que acontece em sete Estados do Brasil para obter cultivares e linhagens resistentes.

O pesquisador da Empaer e chefe do setor de fitopatologia, Napoleão Silvino de Souza, esclarece que os experimentos estão sendo testados na região que é produtora de arroz e com incidência da doença. No teste de resistência está sendo usado o método de inoculação natural em canteiros padronizados com reação uniforme da doença, ou seja, após o plantio dos genótipos nas áreas infestadas com a força do vento acontece a disseminação dos esporos. Após a infestação é verificada qual variedade é mais resistente à doença.
(Foto - Emir Feguri)

O Técnico e Biólogo da Empaer, Emir Feguri é responsável pelo plantio e teste de avaliação de resistência da brusone na área infestada. Os canteiros foram implantados no dia 20 de janeiro e após 35 a 40 dias, terão resultados das novas linhagens resistentes na região. Napoleão ressalta que o objetivo é obter linhagens resistentes, aumentar a produtividade e melhorar a qualidade do arroz ampliando as opções de cultivo para rotação da cultura e propiciar alternativas para aumentar a renda das famílias rurais.

Segundo o pesquisador, o plantio é feito em linhas de 50 centímetros de comprimento, com espaçamento de 10 centímetros. Três linhas de bordadura, compostas de cultivares suscetíveis são plantadas nos dois lados do canteiro no sentido transversal e horizontal. Esse experimento e o Projeto do Viveiro Nacional da Brusone propõem gerar conhecimentos e métodos adequados para controle da doença em cultivo de arroz de Terras Altas.

siga o blog